outsider

The Outsider Ep. 5 – Review

No quinto episódio, The Outsider se aprofunda mais em sua questão metafórica, utilizando o grande vilão da história como uma analogia para a depressão causada pelo luto. Dessa forma, o capítulo dá grande importância para o casal Ralph e Janine, os primeiros a perderem um ente querido (antes mesmo do ponto em que a série se inicia).

A partir disso, ele desenvolve ainda mais a relação de afastamento entre os dois e como eles reagiram de formas diferentes à perda do filho. Nesse sentido, a série lembra muito o conceito do excelente O Babadook (2014), ainda que em estrutura e proposta seja completamente diferente.

Porém, ao mesmo tempo que a série se debruça em conceitos mais abstratos e filosóficos, ela não deixa de desenvolver a narrativa e a investigação. Tudo com um ritmo mais lento e focado em uma atmosfera sombria.

Aos poucos descobrimos mais sobre o controle desse ser sobre as pessoas que ele toca ou não, enquanto a motivação ganha mais clareza. E é interessante que a série está muito mais preocupada em desenvolver o lado humano por meio do sobrenatural do que em ficar resolvendo questões como de onde veio esse monstro, como ele é e por que faz isso.

Entretanto, é nas escolhas de elementos do terror que o episódio mais se destaca, com a construção de cenas tensas moldadas pelo medo do desconhecido. O que faz muito sentido, já que o desconhecido é uma temática muito central na série. E essas escolhas funcionam bem para fazer essa transição entre o sobrenatural (terror) e o real (investigação/suspense).

Share

Tenho 23 anos, sou jornalista formado, trabalho com textos para internet há mais de dois anos e escrevo e gravo críticas de cinema desde o final de 2017, quando criei o canal no YouTube "16mm".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *