Parasita

Parasita pode virar série na HBO

Depois de vencer a Palma de Ouro de Cannes, prêmio mais importante do cinema, ser prestigiado em vários festivais americanos, ganhar o Globo de Ouro de Filme Internacional e ser um dos mais cotados para o Oscar de Melhor Filme, Parasita pode virar série de TV. Ou melhor, minissérie.

Segundo o Deadline, diversos canais e serviços de streaming ofereceram propostas para a adaptação, inclusive a própria Netflix. Porém, Bong Joon-Ho, diretor, roteirista e produtor do longa, teria escolhido a HBO. Pois o canal é o que mais investe e acerta no formato de minissérie há anos.

O mais interessante é que o diretor privilegiou aquilo que ele via como uma melhor opção para o desenvolvimento da obra, e não escolheu por proximidade de trabalhos anteriores. Já que ele já teve uma parceria bem sucedida com a Netflix em Okja, filme que foi exibido até no festival de Cannes.

Além disso, Joon-Ho tem outro filme que virará série. Trata-se de Snowpiercer (que no brasil chegou com o nome Expresso do Amanhã), que será exibida pela TNT e chegará nos EUA este ano, mas ainda não tem data de estreia confirmada no Brasil.

Cena do filme Expresso do Amanhã, de 2013

Sobre o que é Parasita?

Parasita conta a história dos Ki-Taek, família pobre da Coreia do Sul, em que todos estão desempregados e moram em uma casa literalmente abaixo do nível da rua.

Por sorte, o filho mais novo recebe a proposta de trabalhar como professor de inglês para a filha de uma família rica. Dessa forma, ele faz se passar por uma pessoa que não é e começa a “infiltrar” sua família para trabalhar nesta mesma casa.

A irmã vai cuidar do filho mais novo dessa família, a mãe vira a governanta da casa, enquanto o pai se torna o motorista. O problema é que nenhum deles usa o nome original e eles fingem não se conhecer direito. Além disso, forjam seus currículos e experiências anteriores. Porém, quando tudo parece dar certo, algo inesperado acontece e transforma a história.

Parasita foi aclamado por tratar de forma tão lúcida e pouco impositiva as diferenças entre classes, evidenciando o problema, mas mostrando que a culpa é muito mais de um sistema problemático do que das pessoas que nasceram nesses locais.

Ademais, o filme consegue como poucos transitar entre diferentes gêneros, passando por comédia, drama, suspense e até pelo terror de forma surpreendente. Sem dúvida é uma das obras mais marcantes da década, mesmo que tenha sido lançada em 2019.

Share

Tenho 23 anos, sou jornalista formado, trabalho com textos para internet há mais de dois anos e escrevo e gravo críticas de cinema desde o final de 2017, quando criei o canal no YouTube "16mm".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *